Sabado, 25 de Julho de 2015 - 20:39 (Colaboradores)

A SÍNDROME DO BETTA

E uma vez que a fêmea foi retirada do aquário do macho, o peixe Betta começa a levar os pequenos ovinhos para os ninhos que ele preparou; um a um ele os leva pacientemente e em poucos dias os peixinhos estarão nadando pelo aquário.


Imprimir página

O Betta é um peixe ornamental muito bonito e resistente; vive com pouca água e não necessita de muito oxigênio. No entanto, não consegue conviver com nenhum outro peixe. Ele briga até matar o outro, mas o curioso é que ele não tolera nem mesmo outro peixe da mesma espécime junto dele; se tentarem colocar dois Bettas no mesmo aquário, eles se atacarão até a morte. Ele prefere a morte à partilhar o mesmo espaço, ele não convive nem mesmo com a fêmea da sua própria espécime, até mesmo a procriação desse peixe é algo diferente de tudo que eu já vi ou ouvi. (Quando o Betta estiver pronto para o acasalamento seu aquário ficará cheio de bolhas, são ninhos onde seus filhotes se desenvolverão, a fêmea não poderá ser introduzida de uma vez no aquário do macho; mesmo que ele esteja no ponto para a procriação ele poderá matar a fêmea. Ela deve ser aproximada e posta bem próximo do aquário dele até que ele fique menos estressado, assim ela poderá ser colocada dentro do aquário do macho, porém, após o acasalamento a fêmea deve ser retirada para que o macho não a mate.) Interessante, nem mesmo a fêmea que gerou seus filhotes pode conviver com ele. Isso é muito estranho!

O Betta ou os filhotes devem ser removidos, senão, todos serão mortos por ele. Veja que ele começa a cuidar muito bem de seus filhotes, mas, assim que os mesmos começam a interagir, nadando em seu espaço, ele sem hesitar os matará para eliminar qualquer chance de convívio. No começo, ele conduzindo pelo instinto de pai, cuida dos ovos, mas, não demorará que a índole de peixe egoísta e solitário o leve a matar.

Há pessoas que são resistentes, têm um lindo ministério, mas são como o Betta.  Não conseguem conviver com ninguém; matam todos os que se aproximam, eliminam os próprios irmãos e até os de sua casa sofrem com seus ataques. Isso é um projeto maligno! Pessoas ornamentais vêem todos como ameaças a sua “beleza”, seu talento, cargo ou função. Por isso, afastam ou matam os que eles entendem que são ameaças às suas vidas. Os Bettas estão na contra mão da ALIANÇA.

O Betta nos faz pensar duas coisas: Primeiro é que ele é muito bonito mesmo, chama a atenção; e Segundo é em o quanto ele é egoísta, não aceita outro recebendo admiração perto dele. Ou seja, para se manter no foco, se for preciso, ele fere e até mata.

“O solitário busca o seu próprio interesse e insurge-se contra a verdadeira sabedoria” (PV. 18:1).

A Bíblia compara pessoas com animais: Águia, leão, corsa etc. Cheguei a conclusão que há também os que são como o peixe Betta. O Betta é o maior exemplo que temos de comportamento contrário a Aliança. Esse peixe tem uma vida solitária.

Os Prejuízos da Solidão

John T. Cacioppo, especialista em comportamento humano e diretor da Universidade de Chicago Centro de Neurociência Cognitiva e Social, pesquisou e comprovou as alterações prejudiciais causadas pela solidão.

NO SONO: Pessoas solitárias demoram mais a pegar no sono e sentem mais fadiga, comprometendo a regulação metabólica, neural e hormonal.

NO CÉREBRO: Isolamento afeta as funções comandadas pelos lóbulos frontais, como o controle dos impulsos, a resolução de problemas e a aderência às normas sociais.

NO COMPORTAMENTO: Solitários são mais predispostos a sofrer de timidez, raiva, ansiedade, hostilidade, pessimismo e baixa autoestima.

ESTRESSE: Dias solitários aumentam a concentração de cortisol, hormônio do estresse.

NO SISTEMA IMUNOLÓGICO: O corpo dos solitários apresenta menor resistência imunológica, tornando-os mais suscetíveis a infecções.

DOENÇAS CARDIOVASCULARES: Quanto maior a solidão, maior a resistência periférica total nos vasos sanguíneos, o que força o músculo do coração a trabalhar mais e aumenta a pressão arterial.

Essas informações foram extraídas do livro “Solidão” do ano de 2010, tendo como autores o próprio John T. Cacioppo e William Patrick.

Manter um relacionamento nem sempre é fácil, dispensar atenção às pessoas exige pelo menos tempo, esforço e compreensão. Há também pessoas que não facilitam para que os relacionamentos sejam pacíficos ou mesmo prazerosos. No entanto, o isolamento ainda consegue ser mais prejudicial do que os esforços para manter o bom convívio.

Mas há também os que são facilitadores e tornam os relacionamentos muito bons, criam situações favoráveis para que a comunhão seja cada vez mais forte. Fique perto de quem vale a pena!

Mesmo com as dificuldades para manter um bom relacionamento, estar junto é melhor e mais saudável do que o isolamento.

“Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens.” (Rm. 12:18).

Devemos fazer todo o possível para manter relacionamento de paz e isso com todas as pessoas. Esse esforço nos fará pessoas melhores e mais saudáveis.

Nem todos que nos relacionamos serão pessoas de nossa Aliança, mas, as Alianças nascem pelos relacionamentos.

Certa vez, um estudante de psiquiatria foi visitar um hospício acompanhado de um médico professor, era um hospício enorme cheio de pacientes, distribuídos de acordo com a gravidade de sua doença mental e todos usavam uniforme azul. O estudante e o médico professor estavam usando jalecos brancos. O estudante começou a ficar preocupado, por estarem no meio de todas aquelas pessoas com distúrbios mentais; então meio assustado ele pergunta ao professor. O senhor já pensou se eles se unissem contra nós? Somos apenas dois e eles dezenas. O médico esboçou um sorriso tranqüilo e disse: Fique em paz, os loucos nunca se unem.

Quando nos unimos ficamos mais fortes e a debilidade de um passar a ser suprida pela virtude do outro. Algumas conquistas só serão possíveis quando formos disciplinados em seguir rigorosamente uma vida de relacionamentos maduros e desses convívios fizermos fortes Alianças.

Essa história do hospício me faz lembrar do peixe Betta. Vamos analisar: o hospício estava cheio, mas, cada um estava em seu mundo particular. E a fala do médico para seu aluno é conclusiva dentro do assunto A SÍNDROME DO BETTA. “LOUCOS NUNCA SE UNEM”.

Com isso, vejo que, somente um louco para não se unir, ou quem não se une está ficando louco.

“Como é bom e agradável quando os irmãos convivem em união!” (Sl. 133:1).

Esse é um Salmo de romagem. Os peregrinos que subiam as festas bíblicas cantavam o Salmo 133 durante suas caminhadas. Deus usou Davi quando lhe deu esse salmo para que aonde a Bíblia chegar, todos saibam que Deus gosta de ver seu povo reunido.

Esse “viver” aqui, no original, está ligada a “permanecer”. Observe que as pessoas unidas hoje podem estar separadas amanhã. Quantos casais se uniram e já estão separados! Quantos irmãos que não se falam! E quantos ministérios divididos!!!

Estar junto é fácil, o grande desafio é permanecer junto.

E esse, “unidos”, no original é “todos juntos; unidade”. A palavra unidade simplesmente é ser UM.

Esse salmo também é uma afirmação de três bênçãos associadas a nossa unidade.

Primeira: Jamais faltará unção se permanecermos em unidade;

Segunda: Sempre haverá uma bênção para os que vencem as dificuldades e permanecem juntos;

Terceira: O Senhor dá o decreto de benção e vida para os que vencem o espírito de divisão e isolamento.

Unção, Benção e Vida Abundante são as recompensas dos que conseguem permanecer juntos em unidade.

A Síndrome do Betta acontece quando pessoas que deveriam estar juntas começam a construir muros e paredes separando vizinhos e famílias. As pessoas se separam com tanta naturalidade que até parece normal. É possível que você conheça alguma situação de pessoas que se amam e ainda assim estão distantes, ao invés de lutarem pela unidade. Não precisamos aceitar a sugestão de separação imposta pelo inimigo. Conviver não é fácil, mas, para quem anda nos princípios da Aliança essa não é uma tarefa impossível.

Minha oração é que você possa ser abençoado e fortalecido com esse estudo, a ponto de tomar a iniciativa de demolir as muralhas de separação, refazendo relacionamentos que jamais deveriam ser destruídos. Isso é uma das evidências de alguém que está Marcado por uma Aliança.

Que Deus abençoe você e sua família.

Fonte: Arlley Lima

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias